A vida é muita curta.


A vida é muito curta. Muito curta para crescer. Quem foi que disse que precisamos ser adultos um dia? Aquela coisa chata de compromisso, roupas apertadas e lugares inúteis que você precisa marcar presença. Amigos superficiais que te adoram por aquilo que você finge ser. Acabou aquela história de ser carregada bêbada para casa pela melhor amiga e fazer ela jurar para seus pais que você estava apenas com dor de cabeça e precisava dormir. 

A vida é muito curta para não pular de roupa na piscina, deixar de lado seu emprego chato e trabalhar em algo que te faz feliz. E se não for bem sucedido financeiramente? Posso garantir que não existe dinheiro no mundo que compre sua liberdade. E ser feliz nada mais é do que ser livre para poder fazer suas próprias escolhas e encarar seus próprios erros. A vida é muito curta para se apegar a coisas materiais, pessoas que não agregam absolutamente nada, tomar vinhos ruins.

A vida é muito curta para se deixar levar pelo pensamento da maioria, para criar brigas sem sentido e pra ficar de mimimi. Realmente, a vida é bem curta pra ficar de mimimi. A vida é muito curta para sofrer por amores que decidiram partir por decisão própria, para remoer palavras não ditas e se poupar de mais uma dose de tequila para não perder os bons modos. A vida é muito curta para se limitar ao prazer, para não se permitir viajar dentro e fora de si mesmo. A vida é muito curta para evitar os sexo sem compromisso, para procurar o amor eterno e acreditar em alma gêmea. 

A vida é muito curta para deixa de viajar e conhecer o muito. A vida é muito curta para ter medo, desistir de desafios e dar as costas para o que te faz feliz. A vida é muito curta para fazer drama em todas as redes sociais, para ignorar a ligação daquele seu amigo depois de uma discussão, para querer se isolar. A vida é muito curta para ler apenas um livro por semana, não escrever uma dezena de poesias e esquecer de dizer que ama o porteiro. Aliás, a vida é bem curta para você ignorar seu porteiro, a faxineira do prédio que você trabalha ou aquele mendigo que passa por você todo dia de manhã.

A vida é muito curta para não observar o Sol nascendo na praia, para não ficar dias acordado curtindo uma festa, para não dormir de conchinha. A vida é muito curta para se privar de momentos que te faz feliz só porque a sociedade julga contra. É muito curta para culpar o outro pelas suas escolhas, para não lamber a tampa do danone ou fazer guerra de pipoca no cinema. A vida é muito curta para não passar pelo menos um final de semana por mês observando no Sol se pôr na praia. Muito curta para tomar cafés ruins, não ir ao museu ou chamar aquela garota do metrô para sair.

A vida é muito curta para não se manter em constante movimento, não descobrir o amor sincero e o amor superficial. A vida é muito curta para não viajar mais, dançar igual maluco numa festa de criança e não ligar bêbado de madrugada para alguém. A vida é muito curta para fazer juras de amores eternos, brigar com o vizinho e não comer bolinho de chuva da vó. A vida é muito curta para não abraçar alguém que você ama e sussurrar-lhe isso ao pé do ouvido. A vida é muito curta. A vida é imensamente curta. A vida é muito curta para não ser vivida.

Blog; Idealizar

© Mary Proença - 2017 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Design | Tecnologia do Blogger.